2 de outubro de 2013

Maribel - Cap 4


Sexta-feira, hoje teria que ir a faculdade com a Jas para ver o resultado dos nossos exames final. Não esta chovendo, mas esta frio, muito frio. O bom é que eu não trabalho dia de sexta. Isso é uma maravilha.
Toda vez que eu vejo o carro da Jas, sinto falta do meu. É um pena minha mãe ter tirado ele de mim, só porque eu bati. Ela só faltou me matar quando souber.
“Você ficou maluca? Estava querendo se matar? Você sabe muito bem que celular e direção não combina. Você nunca mais vai dirigir esse carro.”
Sinto falta dela, sinto falta dos ataques histéricos dela. Eu sempre vou visita-la, pelo menos um vez no ano ou duas. Esse ano ainda não fui. Pretendo ir depois da formatura. Sinto falta do calor de Atlanta.
-Ansiosa? –Jas pergunta, afastando meu devaneios.
-Sim. Tenho certeza que tirei um boa nota.
- Nem se acha né?
-Jas fala serio, eu me matei de estudar. Se eu não tirar um nota boa, me jogo na frente de um caminhão. Eu quero meu diploma semana que vem, minha querida.
Ela ri.
-Nem acredito que acabou. –ela faz bico.
- Nem eu. Estou feliz por ter acabado, mas vou sentir falta daquele povo.
-É. Mas acabou. Finalmente vamos nos mudar para Seattle. –ela grita, batendo no volante.
-Jas não faça isso. –ralho.
- Desculpe, esqueci que você tem trauma de direção.
-Eu já superei, só preciso de um carro. –digo.
Chegando a faculdade, fomos correndo para o mural ao lado da secretaria. 2° Maior nota. Uhul. Jas ficou em 3°, mas mesmo assim, são as melhores notas.
Gritamos animadas. O estacionamento lotado, todos os estudantes combinando de sair à noite para comemorar. Jas corre em volta do carro, não se aguentando de alegria.
Feliz e orgulhosa me define. Conseguir passar em todos os exames. Minha mãe com certeza ficara orgulhosa. Agora e só prepara a mudança para Seattle e arrumar um emprego em alguma editora. Tudo que envolve livro é fascinante para mim.
Ao caminho de casa, Jas não parava de tagarelar, dizendo que hoje à noite comemoraríamos.
-Mari, olha. –Jas pega um embrulho no tapete em frente à porta, em papel dourado. –É para você.
-Deve ser da minha mãe.
Jas abre a porta saltitante.
-Abre logo. –ela diz antes de ir para a cozinha. Jogo-me no sofá e pego o cartão.

Parabéns pelo seu ótimo desempenho nas provas.
Você é uma mulher muito inteligente Srta. Fox.
Espero que goste do meu presente.
N. Smith

Puta merda, não creio.
Ele me rejeita e depois vem me mandar presente, qual é a dele?
Abro o embrulho e meu queixo cai. Um colar e um par de brincos de platina com diamantes
-Meu Deus. –murmuro.
-Nossa. –Jas arregala os olhos. –Neymar?
Balanço a cabeça.
- Não acredito que ele fez isso. Não posso aceitar.
- Deve ter custado uma fortuna.
- Não vou aceitar, tenho que devolver.
-Acho que ele está afim de você. –ela diz.
-Acho que não, ele deixou isso bem claro ontem.
-Ele disse que não quer nada com você? –ela pergunta incrédula.
- Não com essas palavras.
-Filho da mãe.
-Não quero tocar nesse assunto, na verdade não quero pensar nele. –digo. –Hoje quero me divertir, comemorar.
Jas me abraça e me entrega uma taça de champanhe.
-Um brinde a nossa inteligência e a nossa nova vida em Seattle.
(...)
A boate estava recheada de formandos. Hoje é dia de festa.  Eu estava estreando meu salto novo. José venho conosco. Jas já estava no terceiro copo de tequila, eu já estava na segunda garrafa de vodca. Já sentia minha cabeça rodar.
-Experimenta.
José me estende uma bebida azul.
-Esta tentando me embebedar?
-Claro que não. –ele ri exageradamente.
-Você está bêbado.
-Você também.
Pego o copo de sua mão e dou um gole. Gostoso. Bebo mais um pouco e logo acaba. Faço bico.
-Vou pegar mais. –diz José.
- Vou ao banheiro.
José assente.
Sai esbarrando em todo mundo, quase caindo. Do lado de fora do banheiro um fila enorme.  Puta que pariu isso tudo é para usar o banheiro.
Sinto meu celular vibrar, pego mesmo tentando olhar o numero. Numero desconhecido.
Oxi...
 -Quem é? –pergunto logo, me enrolando nas palavras.
-Maribel? Onde você está?
Neymar.
- Quem te deu meu numero? –pergunto brava.
- Diga onde esta, Maribel. Agora! –ele grita.
- Não grita comigo caralho. –grito também. –Quem você pensa que é? Por que me mandou aquele presente?
Ele fica mudo por alguns segundos.
- Me fale onde esta. –diz, aparentemente calmo.
- Vai se foder!
Desligo.
Argh idiota. Ele definitivamente acabou com a minha noite. Minhas mãos tremem e então percebo que estou chorando.  Ah Neymar, o que você fez comigo?
-Mari, você ainda esta aqui. –José me abraça.- Já usou o banheiro?
-Não. Vou tomar ar.
Afasto-me, mas ele gruda em mim. Saio da boate e me sento perto do canteiro de flores.
- O que você tem? –ele pergunta ficando em minha frente.
- Nada. –sorri falsa.
-Diga Mari.
- Não tenho nada, José. –ele estreita os olhos. - Não é nada. São apenas emoções acumuladas, relaxa.
Passo a mão no cabelo. Ele sorri e fecha os olhos.
- Mari. –ele sussurra. – Quero te beijar.
Arregalo os olhos.
-José... Somos amigos.  –ele abre o olhos.
-Eu gosto de você, Mari. –ele agarra minha nuca. – Quero muito te beijar.
- José...
Seus lábios grudam no meu violentamente.
Empurro-o.
-José, não!
-Mari, por favor.
-Não! Para com isso, eu não quero.
Minha cabeça dói e tudo começa a rodar. Ah não. Por que, eu nem bebi tanto assim. José avança sobre mim. Empurro-o com força. Minha cabeça lateja.
- Não encoste nela.
Neymar aparece ao lado de Marcos, visivelmente furioso. O que ele faz aqui?
José recua. Neymar diz algo ao Marcos, que assenti e logo entra na boate.
-Mari. –José tenta se aproximar, mas Neymar o empurra.
- Se afasta. –ele diz entredente.
-Para. –grito com ele. Neymar me olha com os olhos estreitado os olhos e depois voltar a olhar para José.
-Sai da minha frente antes que eu acabe com você.
José recua novamente com as mãos erguidas e sai do nosso campo de visão.
Minha cabeça doí, tudo gira.
-Você tá bêbada. –ele toca meu braço.
- Não me toca.

Recuo rapidamente. Tropeço e caio. Minha cabeça se choca com o concreto. A dor toma conta de mim, me deixando inconsciente.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
HEY, VOLTEI! MAS NÃO SEI POR QUANTO TEMPO. LEIAM POR FAVOR! 

GENTE TIVE QUE ME ASSENTAR DO BLOG, AINDA NÃO SEI SE VOU CONSEGUIR FICAR POSTANDO COMO ANTES, AS COISAS MUDARAM. ESTOU TOMANDO UM RUMO NA MINHA VIDA, ESTOU PRESA EM UM FOCO, QUERO ALCANÇAR MEUS OBJETIVOS, POR ESSE MOTIVO ME AUSENTEI. ESSE CAPITULO EU FIZ NO MEU TEMPO LIVRE, NEM FICOU BOM, MAS WHATEVER. 
QUERO QUE VOCÊS ENTENDAM QUE EU NÃO TENHO TEMPO PRA POSTAR COMO ANTES E ESTOU PENSANDO EM DELETAR, SÓ NÃO FIZ ISSO PORQUE EU AMO ESCREVER FIC E QUANDO TENHO UM TEMPINHO É ISSO QUE EU FAÇO. 
TALVEZ EU POSTE O CAPITULO 23 DE CRIMINAL NA SEXTA, POIS ESTA QUASE PRONTO. 
É ISSO, NÃO FIQUEM BRAVAS COMIGO! ESPERO QUE TENHAM CURTIDO O CAPITULO. 
ATÉ SEXTA, BEIJO BEIJO ♥  

6 comentários:

Deizy

Eu amo a sua capacidade de escrever, envolvendo a gente na estória. Te adoro
Pode demorar postar só não pare de postar. Demais bjo

Anônimo

Naaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaao deleta porfavor eu preciso da sua fic, sei que vc tem sua vida mas porfavor linda nao faz isso, te adooooooooooooroo...
Bianca.

Anônimo

naaaaaaaaaaao deleta , seu blog é perfeeito e não para de postar pfv .

Anônimo

Não deleta,sua fic é simplesmente perfeita todo dia vinha aqui pra ver se tu tinha postado.Mesmo que não poste toda semana ou mês,continua com ela por favor.

Anônimo

muito bom :-)

Anônimo

Ta perfeito, mais posta qdo der mais n exclui por favor! // Yara

Postar um comentário

Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Não dói e faz bem ao coração do autor :)

2 de outubro de 2013

Maribel - Cap 4


Sexta-feira, hoje teria que ir a faculdade com a Jas para ver o resultado dos nossos exames final. Não esta chovendo, mas esta frio, muito frio. O bom é que eu não trabalho dia de sexta. Isso é uma maravilha.
Toda vez que eu vejo o carro da Jas, sinto falta do meu. É um pena minha mãe ter tirado ele de mim, só porque eu bati. Ela só faltou me matar quando souber.
“Você ficou maluca? Estava querendo se matar? Você sabe muito bem que celular e direção não combina. Você nunca mais vai dirigir esse carro.”
Sinto falta dela, sinto falta dos ataques histéricos dela. Eu sempre vou visita-la, pelo menos um vez no ano ou duas. Esse ano ainda não fui. Pretendo ir depois da formatura. Sinto falta do calor de Atlanta.
-Ansiosa? –Jas pergunta, afastando meu devaneios.
-Sim. Tenho certeza que tirei um boa nota.
- Nem se acha né?
-Jas fala serio, eu me matei de estudar. Se eu não tirar um nota boa, me jogo na frente de um caminhão. Eu quero meu diploma semana que vem, minha querida.
Ela ri.
-Nem acredito que acabou. –ela faz bico.
- Nem eu. Estou feliz por ter acabado, mas vou sentir falta daquele povo.
-É. Mas acabou. Finalmente vamos nos mudar para Seattle. –ela grita, batendo no volante.
-Jas não faça isso. –ralho.
- Desculpe, esqueci que você tem trauma de direção.
-Eu já superei, só preciso de um carro. –digo.
Chegando a faculdade, fomos correndo para o mural ao lado da secretaria. 2° Maior nota. Uhul. Jas ficou em 3°, mas mesmo assim, são as melhores notas.
Gritamos animadas. O estacionamento lotado, todos os estudantes combinando de sair à noite para comemorar. Jas corre em volta do carro, não se aguentando de alegria.
Feliz e orgulhosa me define. Conseguir passar em todos os exames. Minha mãe com certeza ficara orgulhosa. Agora e só prepara a mudança para Seattle e arrumar um emprego em alguma editora. Tudo que envolve livro é fascinante para mim.
Ao caminho de casa, Jas não parava de tagarelar, dizendo que hoje à noite comemoraríamos.
-Mari, olha. –Jas pega um embrulho no tapete em frente à porta, em papel dourado. –É para você.
-Deve ser da minha mãe.
Jas abre a porta saltitante.
-Abre logo. –ela diz antes de ir para a cozinha. Jogo-me no sofá e pego o cartão.

Parabéns pelo seu ótimo desempenho nas provas.
Você é uma mulher muito inteligente Srta. Fox.
Espero que goste do meu presente.
N. Smith

Puta merda, não creio.
Ele me rejeita e depois vem me mandar presente, qual é a dele?
Abro o embrulho e meu queixo cai. Um colar e um par de brincos de platina com diamantes
-Meu Deus. –murmuro.
-Nossa. –Jas arregala os olhos. –Neymar?
Balanço a cabeça.
- Não acredito que ele fez isso. Não posso aceitar.
- Deve ter custado uma fortuna.
- Não vou aceitar, tenho que devolver.
-Acho que ele está afim de você. –ela diz.
-Acho que não, ele deixou isso bem claro ontem.
-Ele disse que não quer nada com você? –ela pergunta incrédula.
- Não com essas palavras.
-Filho da mãe.
-Não quero tocar nesse assunto, na verdade não quero pensar nele. –digo. –Hoje quero me divertir, comemorar.
Jas me abraça e me entrega uma taça de champanhe.
-Um brinde a nossa inteligência e a nossa nova vida em Seattle.
(...)
A boate estava recheada de formandos. Hoje é dia de festa.  Eu estava estreando meu salto novo. José venho conosco. Jas já estava no terceiro copo de tequila, eu já estava na segunda garrafa de vodca. Já sentia minha cabeça rodar.
-Experimenta.
José me estende uma bebida azul.
-Esta tentando me embebedar?
-Claro que não. –ele ri exageradamente.
-Você está bêbado.
-Você também.
Pego o copo de sua mão e dou um gole. Gostoso. Bebo mais um pouco e logo acaba. Faço bico.
-Vou pegar mais. –diz José.
- Vou ao banheiro.
José assente.
Sai esbarrando em todo mundo, quase caindo. Do lado de fora do banheiro um fila enorme.  Puta que pariu isso tudo é para usar o banheiro.
Sinto meu celular vibrar, pego mesmo tentando olhar o numero. Numero desconhecido.
Oxi...
 -Quem é? –pergunto logo, me enrolando nas palavras.
-Maribel? Onde você está?
Neymar.
- Quem te deu meu numero? –pergunto brava.
- Diga onde esta, Maribel. Agora! –ele grita.
- Não grita comigo caralho. –grito também. –Quem você pensa que é? Por que me mandou aquele presente?
Ele fica mudo por alguns segundos.
- Me fale onde esta. –diz, aparentemente calmo.
- Vai se foder!
Desligo.
Argh idiota. Ele definitivamente acabou com a minha noite. Minhas mãos tremem e então percebo que estou chorando.  Ah Neymar, o que você fez comigo?
-Mari, você ainda esta aqui. –José me abraça.- Já usou o banheiro?
-Não. Vou tomar ar.
Afasto-me, mas ele gruda em mim. Saio da boate e me sento perto do canteiro de flores.
- O que você tem? –ele pergunta ficando em minha frente.
- Nada. –sorri falsa.
-Diga Mari.
- Não tenho nada, José. –ele estreita os olhos. - Não é nada. São apenas emoções acumuladas, relaxa.
Passo a mão no cabelo. Ele sorri e fecha os olhos.
- Mari. –ele sussurra. – Quero te beijar.
Arregalo os olhos.
-José... Somos amigos.  –ele abre o olhos.
-Eu gosto de você, Mari. –ele agarra minha nuca. – Quero muito te beijar.
- José...
Seus lábios grudam no meu violentamente.
Empurro-o.
-José, não!
-Mari, por favor.
-Não! Para com isso, eu não quero.
Minha cabeça dói e tudo começa a rodar. Ah não. Por que, eu nem bebi tanto assim. José avança sobre mim. Empurro-o com força. Minha cabeça lateja.
- Não encoste nela.
Neymar aparece ao lado de Marcos, visivelmente furioso. O que ele faz aqui?
José recua. Neymar diz algo ao Marcos, que assenti e logo entra na boate.
-Mari. –José tenta se aproximar, mas Neymar o empurra.
- Se afasta. –ele diz entredente.
-Para. –grito com ele. Neymar me olha com os olhos estreitado os olhos e depois voltar a olhar para José.
-Sai da minha frente antes que eu acabe com você.
José recua novamente com as mãos erguidas e sai do nosso campo de visão.
Minha cabeça doí, tudo gira.
-Você tá bêbada. –ele toca meu braço.
- Não me toca.

Recuo rapidamente. Tropeço e caio. Minha cabeça se choca com o concreto. A dor toma conta de mim, me deixando inconsciente.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
HEY, VOLTEI! MAS NÃO SEI POR QUANTO TEMPO. LEIAM POR FAVOR! 

GENTE TIVE QUE ME ASSENTAR DO BLOG, AINDA NÃO SEI SE VOU CONSEGUIR FICAR POSTANDO COMO ANTES, AS COISAS MUDARAM. ESTOU TOMANDO UM RUMO NA MINHA VIDA, ESTOU PRESA EM UM FOCO, QUERO ALCANÇAR MEUS OBJETIVOS, POR ESSE MOTIVO ME AUSENTEI. ESSE CAPITULO EU FIZ NO MEU TEMPO LIVRE, NEM FICOU BOM, MAS WHATEVER. 
QUERO QUE VOCÊS ENTENDAM QUE EU NÃO TENHO TEMPO PRA POSTAR COMO ANTES E ESTOU PENSANDO EM DELETAR, SÓ NÃO FIZ ISSO PORQUE EU AMO ESCREVER FIC E QUANDO TENHO UM TEMPINHO É ISSO QUE EU FAÇO. 
TALVEZ EU POSTE O CAPITULO 23 DE CRIMINAL NA SEXTA, POIS ESTA QUASE PRONTO. 
É ISSO, NÃO FIQUEM BRAVAS COMIGO! ESPERO QUE TENHAM CURTIDO O CAPITULO. 
ATÉ SEXTA, BEIJO BEIJO ♥  

6 comentários:

  1. Eu amo a sua capacidade de escrever, envolvendo a gente na estória. Te adoro
    Pode demorar postar só não pare de postar. Demais bjo

    ResponderExcluir
  2. Naaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaao deleta porfavor eu preciso da sua fic, sei que vc tem sua vida mas porfavor linda nao faz isso, te adooooooooooooroo...
    Bianca.

    ResponderExcluir
  3. naaaaaaaaaaao deleta , seu blog é perfeeito e não para de postar pfv .

    ResponderExcluir
  4. Não deleta,sua fic é simplesmente perfeita todo dia vinha aqui pra ver se tu tinha postado.Mesmo que não poste toda semana ou mês,continua com ela por favor.

    ResponderExcluir
  5. Ta perfeito, mais posta qdo der mais n exclui por favor! // Yara

    ResponderExcluir

Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Não dói e faz bem ao coração do autor :)